‘Silenciosa maneira’, de Jefferson Dias, será lançado em São Carlos com homenagem a Herberto Helder

11698678_626764177426810_7596125281760283051_n“Silenciosa maneira”, de Jefferson Dias, o terceiro livro da coleção Galo Branco, que está sendo publicada pela Editora Medita com recursos do ProAC, será lançado no próximo dia 19 de agosto, quarta-feira, no Teatro de Bolso da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), a partir das 17h.

Além do lançamento do livro, que estará sendo vendido no dia pelo valor de R$ 10,00, o evento terá um recital e uma homenagem ao poeta português Herberto Helder, importante influência para o livro de Jefferson Dias. Em Herberto Helder, Jefferson parece buscar o universo da mitologia edipiana e da imagem da mãe, que atravessa de forma mais expressiva a segunda parte de “Silenciosa Maneira”, sendo o poeta português citado literalmente em um dos poemas.

240px-Herberto_Helder
Herberto Helder

Além de Herberto Helder, “Silenciosa maneira” traz ecos de Augusto dos Anjos, percebidos seja na expansão de imagens de dor, horror e morte, seja em um vocabulário que nos fala de cancro, mênstruo, esperma, leite, cuspe e gangrena, com um gosto pela anormalidade que se revela poética. Um livro inicialmente difícil e perturbador, nele sobretudo há tensões entre materialidade e metafísica, entre festins e solidão, entre o poeta – esse ser dos paradoxos – e o poema – esta fantasmagoria – entre o eu e o outro. Justamente é o poema outro grande personagem deste livro ensurdecedor em seu silêncio que combina momentos de sensualidade com lampejos espirituais, uma melancolia contínua e uma sutil reverberação da vida.

Jefferson Dias nasceu em Monte Sião, Minas Gerais, em 1990. Mudou-se bem logo para Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, onde reside até hoje. Concluiu no ano de 2014 o curso de Letras da Universidade Federal de São Carlos; debruçou-se, em seu trabalho de conclusão de curso, sobre a montagem do poema “Húmus” (1966), empreendida pelo poeta lusitano Herberto Helder, a partir do romance homônimo (1926) do também português Raul Brandão. Publicou, em 2013, pela editora Multifoco (Rio de Janeiro-RJ), o livro de poemas Último Festim. Em 2014 teve o poema “Dédalo” publicado na segunda edição da revista euOnça (editora Medita, Campinas-SP). Além de “Silenciosa maneira”, escreveu Qualquer Lugar (poesia, inédito) e Sonata do Diabo (romance, inédito). Mantém um site onde publica alguns de seus textos.

487943_490606757691145_836771090_n
Jefferson Dias

Financiada pelo Edital nº 34/2014 do Programa de Ação Cultural “Concurso de Apoio a Projetos de Publicação de Livros – Coleção de Obras Inéditas – no Estado de São Paulo”, a coleção Galo Branco imprimirá, ao longo de 2015, 10.500 livros, divididos em 7 títulos inéditos. Os lançamentos serão realizados até dezembro em cinco cidades do interior do estado de São Paulo. São várias as vozes que compõem a polifonia dessa coleção: Pedro Spigolon, Sarah Valle, Augusto Meneghin, Ana Júlia Carvalheiro, Jefferson Dias, Anderson Kaltner e Danilo Carandina.

O lançamento tem entrada gratuita e é aberto ao público em geral. Os dois livros já lançados pela coleção Galo Branco, “Espanto”, de Pedro Spigolon, e “O Espelho d´água”, de Sarah Valle, também estarão à venda, os dois por R$ 15,00. Mais informações na página do evento no facebook.

Dizer o acaso – dizer a vida –, mas dizer.
Inventar os arranjos, dizer os rostos,
Fermentar os ossos do poema, revelá-los simples:

Toda a hipocondria – arranjo repleto geral,
Outro poema: cavalos quebrados –
E toda a ternura, a carne do gesto.

A cabeça da palavra: Herberto Helder
Qual uma península na dança.

[…]

(trecho do poema “Arranjos”, p. 37)

Coleção Galo Branco

Anúncios